terça-feira, 29 de dezembro de 2009

S.Silvestre de Lisboa

Tardei mas não quero deixar de aqui vir manifestar o meu agrado pela organização deste ano.

Quanto a mim.... só consegui os 53' :-(
O Natal .... e o meu pé .... e a falta de treino! Gostaria de ter feito 50'...

No fim de tantas ameaças, o tempo lá se aguentou e não apanhamos uma molha e até nem estava frio.

Vamos lá a ver o que vou conseguir na S. Silvestre dos Olivais e estou com muita pena de não conseguir ir à S. Silvestre da Amadora porque estou a trabalhar e não me dá tempo :-( para o ano tiro férias e assim garanto a minha presença.

A todos os meus desejos de boas provas!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

52º Grande Prémio do Natal de Lisboa

Uma prova que eu posso dizer que me superei. O percurso era fácil e consegui chegar à meta aos 48' embora o tempo oficial ficasse nos 50' pela chegada à meta que foi uma vergonha.
Sendo esta a prova mais antiga de Lisboa e pelo que li além de popular com alguns elogios, não consigo entender o porquê da confusão deste ano. Ainda se fossem amadores....
Deviam dar o exemplo e acabam por ser pior que as outras organizações? O que aconteceu?

Fiquei triste porque o meu esforço não ficou registado embora saiba o que fiz.

Associação de Atletismo de Lisboa, Xistarca, SportZone, etc, etc deveriam ter cuidado cada vez mais com a organização das provas pois como é fácil de entender cada vez há mais adeptos neste desporto.

Além de situações como esta há uma outra que eu acho incrível, que é nas provas de 10kms que na maioria das vezes só há 1 abastecimento de água e aconteceu-me isso no tempo quente inclusive!

Nem todas as pessoas reagem da mesma forma e eu pessoalmente desidrato com facilidade apesar dos inúmeros cuidados que tenho.

Continuo a dar os meus parabéns aos organizadores da Corrida do Tejo (http://www.corridadotejo.com/)   :-)

Desde que me dediquei a correr, foi nesta prova que me estreei e continuo a achar que é a mais bem organizada!

Vamos ver se este ano na S. Silvestre de Lisboa não vai acontecer o mesmo que o ano passado no final da prova! Estarei lá e espero poder vir aqui dar os meus parabéns... como se costuma dizer "enquanto há vida à esperança"!

domingo, 6 de dezembro de 2009

Meia-Maratona - 6 Dezembro 2009


CONSEGUI!

Apesar das subidas ..... principalmente da última subida, consegui acabar a minha 1ª Meia-Maratona em 2h00 :-)

Estou feliz!
Para o ano tem que ser a Maratona , mesmo!!!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

A minha primeira Meia-Maratona



Pois cá estou eu em vésperas de conseguir fazer a minha primeira meia-maratona!

Treinar sozinha no início seria uma hipótese mas lá consegui convencer uns bravos a acompanharem-me.

Já fiz alguns treinos de 21kms por isso creio não ser difícil fazer a prova em si, mas a expectativa de melhorar o tempo dos treinos é sempre stressante, principalmente porque o percurso este ano tem muitas subidas e eu não me dou lá muito bem com subidas :-(

O meu objectivo é de chegar à Meta em 2h00!

Dizem que vai chover, mas como diz um comparsa “desde que não faça granizo” hehehehe

Sempre gostei de correr e finalmente vou fazer a minha primeira meia-maratona, mas como eu sou um bocadinho ambiciosa já estou a pensar …………… na MARATONA! A seu tempo….


Os meus desejos de boa sorte a todos os corredores e…. embora lá :-)

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

GRANDE PRÉMIO DO NATAL

http://www.gpnatal.aalisboa.com/index.php?id=20cb2b5988e63b008d608e845fc8c222a9881a78

A Associação de Atletismo de Lisboa vai organizar o "52º Grande Prémio de Natal", a realizar no dia 13 de Dezembro de 2009. com novo local de partida para a prova principal, mantendo-se, contudo, o local de chegada – Praça dos Restauradores.


As inscrições podem ser realizadas através do endereço da internet: wwww.gpnatal.aalisboa.com ou nas instalações da Associação de Atletismo de Lisboa (AAL), até ao dia 8 de Dezembro de 2009.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A história de... Vítor Dias, corredor de pelotão


Vício da corrida fez um escritor
A história de... Vítor Dias, corredor de pelotão
Ontem
CARLA SOFIA LUZ
O desafio de um amigo para uma corrida semanal converteu-o num atleta de maratonas sem febre de competição. O "vício" fê-lo parti-lhar desabafos e conselhos num blogue que agora passa a livro.
"Já correu hoje?". O desafio é de Vítor Dias, que passou de atleta de ocasião a "corredor do pelotão" em dois anos. Aos 39 anos, começou por deixar o apelo à prática desportiva sem ânsia da competição entre desabafos, relatos de provas, notícias e conselhos para estreantes no blogue correrporprazer.com. Em 11 meses, a página, criada pelo técnico de informática da Câmara do Porto, conquistou a atenção de 70 mil pessoas de 91 países, sobretudo de Portugal e do Brasil, que partilham experiências e dúvidas.
Quando voltou a calçar as sapatilhas, que ocasionalmente retirava do armário, para a corrida semanal com os Porto Runners, no Parque da Cidade do Porto, nunca imaginou que, em dois anos, já teria cruzado a meta em três maratonas (Porto, Paris e Berlim) nem que o blogue se converteria num livro . "Correr por prazer" combina o relato de experiências do corredor, natural de Campo (Valongo), os conselhos de nutrição e a informação sobre lesões.
A enfermeira de reabilitação Ana Maria de Freitas e a nutricionista Filipa Vicente são co-autoras do livro, que será lançado depois de amanhã (às 16 horas) no Pavilhão Rosa Mota. Horas antes do tiro de partida da sexta maratona do Porto que conta já com mil inscrições. E foi na prova do ano passado que Vítor Dias se estreou nas maratonas.
Costumava dizer que um dia gostaria de correr numa maratona. Um desejo que julgava tão possível quanto "viajar até à Lua". Bastou começar a correr todas as semanas para reanimar o sonho. "Quando comecei nem sequer conseguia correr mais de meia hora seguida", lembra. A regularidade deu-lhe mais pulmão, como costuma dizer. E, três meses antes da maratona do Porto, tomou a decisão de que estaria entre os 600 corredores.
A preparação é dura. Faça sol ou chuva, tem de calçar as sapatilhas cinco dias por semana e percorrer mil quilómetros. E, no dia da prova, cumprir os 42 exigidos. Fê-lo por três vezes no Porto, em Paris e em Berlim. A da Invicta, garante Vítor Dias, tem o trajecto mais bonito, muito próximo do mar e do rio. "Onde sofri mais foi na maratona de Paris. À volta dos 35 quilómetros, pensei que não me metia mais nisso. No dia seguinte, inscrevi-me na prova de Berlim", adianta. A verdade é que não pode passar sem as corridas semanais. "Nós somos viciados na corrida. Quando ficámos parados, sentimos muito falta".

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A maratona faz mal ao coração?

Li este artigo no site:

Achei muito curioso e interessante, parte dele transcrevo aqui:

Embora vários estudos tenham detectado indícios de danos cardíacos a curto prazo em corredores de maratona, os benefícios de exercício regular parecem ser superiores aos riscos. Mesmo assim o estudo é perturbador.

Esta semana, a revista “Runner’s World” entrevistou Paul Thompson, director do departamento de cardiologia do Hartford Hospital e há muito corredor de maratona, que estudou a relação entre o exercício físico e as doenças cardíacas.
Thompson propõe uma série de explicações para o surto invulgar de mortes. Podemos estar a assistir a mais mortes pela simples razão de haver, hoje, muito mais corredores a participarem nesses eventos. Pode ser também que essas mortes sejam apenas casos aleatórios para os quais não há justificação racional.

Embora Thompson tranquilize as pessoas relativamente às corridas de maratona, também refere que ainda não se sabe muito a esse respeito. “Não há dúvida de que a maratona é uma prova muito dura e exigente”, disse ele à “Runner’s World”. “Estamos certos de que as pessoas que praticam exercício físico correm menos riscos cardiovasculares do que as que não praticam, mas a verdade é que não temos a certeza de que isso se aplique aos corredores de maratona”.

Exclusivo “The New York Times”

Café: ele pode mudar suas corridas

Cafeína e exercícios. A cafeína talvez seja o estimulante mais usado no mundo. Rapidamente absorvida pelo organismo, atinge seu ponto máximo no sangue entre uma e duas horas depois de ingerida. Como consegue alcançar a maioria dos tecidos, tem potencial para afectar todos os sistemas do corpo. Após o uso, a cafeína remanescente é decomposta no fígado e os subprodutos são eliminados pela urina.

Estudos laboratoriais nos anos 70 sugeriam que a cafeína melhorava o desempenho nos exercícios, aumentando a liberação de adrenalina no sangue e reduzindo dessa forma a necessidade de usar carboidratos. Pesquisas mais recentes, divulgadas pelo American College of Sport Medicine (julho de 99), dão conta que a ingestão de 3 a 9 miligramas de cafeína por quilo de peso do atleta uma hora antes do exercício aumenta a performance tanto na corrida como no ciclismo de longa duração.

Já no caso das actividades de curta duração, embora sugiram que a ingestão de cafeína melhora o desempenho durante um exercício que dure aproximadamente 5 minutos, especificamente em relação às corridas as mesmas pesquisas não são conclusivas. Estabelecem que a ingestão de cafeína não parece melhorar o desempenho em corridas, mas julgam necessários novos testes para confirmar tal parecer.
Nutricionista, fitoterapeuta e colaboradora da Associação Paulista de Nutrição, a Dra. Vanderli Marchiori reforça as duas teses: "Separando os corredores em fundistas e velocistas, os efeitos da cafeína são mais benéficos para os que fazem provas longas, mas dependendo da quantidade consumida podem levar à desidratação celular e isso pode potencializar a perda de electrólito, já comum desta actividade. Em relação ao grupo dos velocistas pode haver aumento na vontade de urinar, atrapalhando a concentração e comprometendo o rendimento".

domingo, 25 de outubro de 2009

Corrida do Tejo


Melhorei este ano... mas não consegui fazer o tempo a que me propus :-(

Aquelas subidas matam-me!

Mas durante a corrida tive um agradável incentivo, passei a correr.... vejam bem, ultrapassei a Rosa Mota hehehehehe e cumprimentei-a, ela deu-me um toque no ombro e disse "Força!", juro que me senti emocionada e não me chamem piegas.

A Corrida do Tejo para mim é das mais bem organizadas das que participei.

Parabéns aos organizadores e espero estar presente em 2010!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Nutrição para corredores


NOZ / AMENDOAS / AMENDOINS

Há muito tempo que têm uma má reputação por serem ricos em gordura e calorias, o que contribui para um aumento de peso dos corredores.

Mas segundo os investigadores, as nozes, amêndoas, amendoins e outros do mesmo tipo, em conjunto com vitaminas e cereais são excelentes para dar energia e contribuem como antioxidantes. É bom para o coração e o seu funcionamento.

Essa foi a conclusão da Food and Drug Administration (FDA), que lançou uma alegação de saúde qualificados, em 2003, afirma que comer 1,5 onças (cerca de um punhado) de nozes por dia pode reduzir o risco de doença cardíaca. Isto porque a maioria da gordura é monoinsaturada e poliinsaturada, demonstram menores níveis de LDL (o chamado "mau colesterol"). "Essas gorduras são importantes para os corredores, porque elas têm um efeito anti-inflamatórios no corpo", diz Nancy Clark, RD ", e pode ajudar a reparar lesões musculares que criam a inflamação."

NOZES
As nozes são muito ricas na base de plantas omega-3 ácidos gordos ALA (Ácido Alfa Lipóico - é um dos antioxidantes mais eficazes no combate aos radicais livres). Um estudo recente indica que ALA diminui a inflamação que pode danificar as artérias e pode ajudar a reduzir o colapso do osso. Os estudos mostraram também que as nozes podem aumentar os níveis de HDL (conhecido como bom colesterol) enquanto reduz o LDL.

AMÊNDOAS
Uma porção de amêndoas fornece 35 por cento do valor diário (DV) para a vitamina E, um poderoso antioxidante que pode ajudar a proteger contra doenças como o Alzheimer.

AMENDOIM
O amendoim é uma leguminosa de origem vegetal que pertence à mesma família do feijão e ervilhas. Têm um baixo índice glicêmico (índice glicêmico, ou glicemia, é um factor que diferencia os carboidratos, e está relacionado com o nível de açúcar no sangue), o que significa que são digeridos lentamente e ajudam a manter um nível equilibrado de açúcar no sangue.

domingo, 11 de outubro de 2009

A corrida envelhece?

Por um "tira teimas" hoje ao jantar com uns amigos em que comentavamos o facto de que correr envelhece ou não... pois cheguei a casa e vim pesquisar, para minha surpresa não é que tinham razão?
Mas a meu ver não é tanto assim....

Corrida envelhece?

  • R. Só se houver exagero", diz o médico ortomolecular Wilson Rondó Jr. A explicação é simples: 1% do oxigênio que inspiramos vira radicais livres, substâncias responsáveis pelo nosso envelhecimento. Durante um exercício intenso, respiramos mais e, portanto, a oxidação das células e a produção dos tais radicais é aumentada. "Feita com moderação, a atividade protege contra o envelhecimento. Mas quando é muito intensa, como corridas diárias de mais de uma hora, o resultado é invertido", explica Rondó. Uma dieta balanceada, com muitas frutas, verduras e legumes, alimentos ricos em antioxidantes, pode compensar o prejuízo.

.../....

  • De acordo com dois estudiosos, Cymet & Sinkov, em um artigo que revisou mais de 30 pesquisas sobre Ósteoartrite X Corrida de Longa Distância, não há evidências de que a corrida acelere ou provoque o desgaste das articulações em pessoas sem histórico deste tipo de lesão. Que fique bem claro: em pessoas que não possuem histórico para este tipo de lesão!
    Uma outra dupla de pesquisadores, Kojda & Hambrecht revisou mais de 90 pesquisas nesta área e indicam que o exercício pode ser visto como um antioxidante (que combate a acção nociva dos radicais livres) efectivo.
    E, para citar mais um artigo, mais dois estudiosos (Couilladr & Prefaut) na área abordam as pesquisas de forma mais completa. Eles acabam descrevendo aquilo que todos nós com bom senso já sabemos: que a corrida de longa distância e outras modalidades de exercício, quando em doses moderadas, ajudam a combater o stress oxidativo (que gera a formação dos radicais livres, que aceleram o envelhecimento) e que o exagero acaba aumentando esse mesmo stress oxidativo.
    Portanto, eu volto a citar um ditado que acredito ser muito verdadeiro nesta questão: “A diferença entre o veneno e o remédio está na dose”. Correr é bom demais, mas correr demais não é bom!

    Por Renato Dutra


Será? A melhor forma é buscar a literatura científica sobre o assunto e tentar entender se há algum fundo de verdade nisso.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Por uma vida mais leve

Fazer de uma modalidade uma rotina saudável é o melhor caminho para se manter bem física e psicologicamente.

A falta de disciplina é um dos factores que pode contribuir para uma desmotivação, por isso o facto de se praticar desporto de uma forma assídua e responsável sinónimo também de maturidade, principalmente no caso da corrida.

A forma como o corredor vê a prática é determinante para seu sucesso A grande maioria desiste dos seus objectivos por falta de motivação e persistência. É preciso deixar a corrida tornar-se rotina

Quando o objectivo da corrida é meramente superficial, como, por exemplo, praticar apenas por charme de um corpo bonito, por moda, sei lá … . chega a um certo momento em que se torna sem valor, cansativo, pois não oferece nada mais que isso, porque é superficial!

É necessário um comprometimento válido, prazer na própria corrida e sua valorização.
A prática desportiva deve ser vista como um meio de terapia, como o momento que dedicamos a nós próprios, superando etapas e divertindo-nos, assim como a saúde física é beneficiada a emocional sofrerá também uma grande transformação.


A falta de tempo pode ser real, mas na maioria das vezes é uma desculpa para nos tornar preguiçosos. Mais uma vez a falta de motivação. Quando alguém quer mesmo alguma coisa ela arranja tempo para ela, sempre foi assim e sempre será!
Ouço essa desculpa muitas vezes e canso-me de repetir que para mim isso não é desculpa!

Quanto a preguiça está aliada à falta de disposição mental, afecta o físico e resulta em morosidade e lentidão, o cansaço é meramente físico.

O corredor deve avaliar como vai sua alimentação e seu sono (contra mim “falo” na questão do sono!), ingredientes fundamentais para o bom funcionamento do corpo. E quando planeamos uma meta a ser alcançada, devemos sempre levar em conta todos os factores que fazem parte.


O corredor deve pensar que os períodos menos bons vão servir para que ele se fortaleça ainda mais, superando os desafios e obstáculos que a vida coloca em seu caminho. Deve-se aprender a saber superar-se nas situações mais difíceis e reconhecer que aquele é só um momento, o próximo será uma grande surpresa. É preciso estar sempre preparado para uma nova e boa oportunidade de crescimento, seja no desporto ou na vida.

Perseverança e muita paciência, acima de qualquer dificuldade.

O primeiro passo positivo:

• Criar metas! é preciso ter objectivos realistas e atingíveis, caso contrário será uma frustração;
• A disciplina é a chave para alcançar o sucesso, ainda mais na corrida;
• Manter o foco em cada treino: dar o máximo para cumprir os treinos propostos;
• Reunir os amigos: treinar com eles;
• Mudar de ares: correr em lugares novos, com novos ambientes.

Li que a posição e o movimento correctos dos braços interferem na performance!

IMPOSSIBLE IS NOTHING (by Adidas)

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Qual o melhor treino?

Qual é o treino de corrida que é mais eficiente? Pelos parques, ruas e avenidas ou em cima das máquinas? Não há uma resposta única. Segundo especialistas, tudo depende dos objectivos, que variam desde a manutenção da forma física até participação em corridas visando performance, passando pela disponibilidade de tempo e local para correr e factores motivacionais. Como o equilíbrio é sempre a melhor alternativa, o conselho dos treinadores é que ao invés de escolher um estilo, que se mescle os dois.

Mas para quem gosta de participar de provas, a passadeira não pode ser a única forma de treino, mas sim uma opção. Um bom treino inclui corridas em ambos, podendo ser 50% cada.

Rua / Vantagens
- Simular a realidade de prova
- Maior desenvolvimento dos músculos responsáveis pela impulsão gerada no deslocamento do corredor
- Psicologicamente mais motivante
- A duração do treino se torna mais imperceptível em razão do movimento ser realizado ao ar livre, com variação de cenário.

Rua / Desvantagens
- Maior atrito
- Maior impacto
- Velocidade variável
- Ritmo incerto
- Trânsito
- Terrenos acidentados (buracos)
- Altamente lesivo se realizado em excesso
- Exposição a condições climáticas adversas.

Passadeira / Vantagens
- Menor atrito
- Menor impacto
- Logística: maior precisão no controle da FC, tipo de percurso, intensidade e volume
- Ritmo certo controlado pelo equipamento
- Não há exposição a condições climáticas adversas
- Quando se está localizado à frente de um espelho, ajuda na correcção da técnica de corrida pelo meio visual

Passadeira / Desvantagens
- Difícil troca de calor devido ao ambiente fechado
- Necessidade de preocupação extra com hidratação
- Dificuldade para realização de treinos longos
- Pode ser altamente lesivo, por submeter a articulação do joelho a um movimento oposto ao sentido de funcionamento
- O amortecimento e a característica estacionária do equipamento não substituem por completo o treino de corrida na rua

sábado, 3 de outubro de 2009

Sou Fã!

Embora o maior volume dos exercícios do corredor seja mesmo correr, é bom experimentar actividades que ajudam o corredor a melhorar o desempenho geral. Quem apenas corre mais cedo ou mais tarde convive com as contusões e muitas vezes as lesões definitivas. Isso pode ser evitado com um melhor condicionamento físico.

SPINNING.
Não é uma bicicleta comum. A sua robustez permite ao praticante pedalar em pé ou sentado, com ou sem esforço, porque o sistema de transmissão e a roda dianteira pesada geram uma inércia possibilitando essas manobras.
Em paralelo, também com características similares surgiu o RPM do sistema Body Systems e o Ciclismo In Door.

Em nível muscular o spinning é bastante adequado ao corredor porque recruta basicamente os mesmos músculos da corrida, só que promovendo melhor sincronismo e necessitando inclusive certo aprendizado motor para fazer girar os pedais com a mesma força nos 360 graus. Os glúteos (nádega), os quadríceps (coxa), os gastrocnémios (batata da perna) e os posteriores de coxa são os mais beneficiados. Entretanto, os flectores de quadril, os adutores, abdutores de coxa, os anteriores de perna e até os dos pés estão sempre presentes, ajudando a manter o movimento em círculo de modo regular.

Embora seja o mesmo grupo muscular do ato de correr, a solicitação motora é diferente, promovendo mais harmonia nos músculos de quem corre. Um bom exemplo disso são os músculos vasto medial e lateral que fazem parte do quadríceps (músculos da coxa). Muitos problemas de joelho do corredor tais como desvios da patela (antiga rótula) são ocasionados pelo diferencial de força entre eles. O ato de correr desenvolve mais do lateral e o de pedalar corrige, bastando comparar as coxas do corredor e do ciclista, que são nitidamente diferentes. As dos ciclistas exercem força equilibrada nos dois lados do joelho, medial (dentro) e lateral (fora).

Pedalar certinho nos 360º requer desenvolvimento da coordenação motora e das estruturas neuromusculares, qualidades desenvolvidas com uma boa aula de spining. Em vários momentos, as manobras podem requerer a manifestação da potência, da força explosiva de média ou curta duração, valências físicas que o corredor precisa em vários momentos de uma corrida com percurso variado com trechos retos e planos, ladeiras, descidas ou na hora de decidir uma chegada.

Outra grande vantagem em relação à corrida é a questão do impacto que no spining é bem menor. Corredores em período básico, transição ou mesmo contundidos podem ser estimulados a pedalar para não ficarem parados e/ou desenvolver outras qualidades físicas.

Não dá para negar. Os triatletas têm pernas mais fortes, músculos melhor definidos e quando entram em provas apenas de corrida fazem bons tempos. E estatisticamente têm menos contusões que o corredor.

Por Luiz Carlos de Moraes

Exercícios de Suporte

Exercícios educativos, como o próprio nome diz são exercícios para melhorar sua coordenação, eficiência, economia na execução de seus movimentos na corrida. Ou seja, se o atleta tem uma deficiência ou ma postura na sua corrida, com o educativo ele é facilmente detectado e corrigido.

Os exercícios também são usados como parte integrante do aquecimento como skipping, suspensão, alternado etc

Alguns exercícios fundamentais:

1- Skiping alto: elevação alternada dos joelhos até a altura do abdómen, correndo no lugar.

2- Skiping baixo: elevação alternada dos joelhos até a altura dos quadris, correndo no lugar.

3- Anfersen: Correr no lugar ou em locomoção tocando os calcanhares nos glúteos.

4- Haupserlaüfen: corrida alternando saltos com elevação dos joelhos e o consequente trabalho de braços.

5- Dribling: corrida rapidíssima no lugar elevando minimamente os pés com trabalho de braços rápido e veloz.

6- Capoeira: exercícios de capoeira, braços e pernas, saltos que comprovadamente melhoram a execução do desequilíbrio corporal, provocando saltos, execução de impulsos e vivência espacial, especialmente para quem salta barreiras e velocistas.

7- Pular corda: da mesma forma que o pugilista o corredor pratica esta actividade lentamente ou veloz mente e consegue coordenação de movimentos, melhorando sua corrida.

8- Correr defronte ao espelho; da mesma forma que um pugilista que ensaia seus golpes e atitudes, o corredor, principalmente corrige seus defeitos e melhora sua coordenação, passa a correr descontraidamente tendo consequentemente um melhor desempenho.

Estilos de corrida / erros

Os erros mais comuns e que devem ser corrigidos são:

Braços ligeiramente parados (durante a corrida) o braço tem um factor importantíssimo no rendimento e impulsão; bater a ponta do pé no chão ao invés do calcanhar (fundistas), muitos atletas tem o hábito de correr tocando primeiro a ponta dos pés o que poderá levar no futuro a lesões;

Batidas do pé muito pesado e chato, quem já não viu um atleta passar com aquele barulho dos pés a bater no chão?

O atleta tem que ter uma passada suave e harmoniosa, procurando amortecer a cada toque no chão.

Corrigindo os erros com certeza a corrida será bem melhor evitando possíveis lesões.

No entanto, é necessário respeitar as características de cada atleta.

Há atletas de renome que possuem características que podem ser consideradas defeitos, no entanto, não podem ser considerados defeitos as características individuais de cada um.

O atleta deve sentir-se bem nos seus gestos de corrida, pois para ele a sua forma de actuar é confortável, não adianta colocarmos, por exemplo um ténis de corrida de ultima geração num atleta se ele não se sentir bem e confortável.

Devemos procurar a melhor condição da mecânica de corrida, sem sair das características peculiares de cada um.

O padrão ideal de um corredor de fundo é a total descontracção e movimentos soltos, não se deve insistir em corrigir estilos arraigados, mas devemos corrigir por exemplo o pisar planta-ponta do pé, bochechas não crispadas, mãos semi abertas e soltas, cotovelos trabalhando em ritmo, ombros soltos, olhar de frente o horizonte.

O que é comum para quem não tem experiência:

* Correr “sentado”, tocando o calcanhar primeiro no chão, corredor que se preze e desejar evitar um maior impacto na coluna vertebral, toca primeiro o chão com a ponta do pé e depois desliza para o calcanhar. Quando corremos dessa maneira, automaticamente executamos um movimento económico, ou seja, elevamos ligeiramente o joelho, a amplitude da passada é maior e evita-se um impacto maior na coluna, a tendência é jogar o tronco para frente, além de proporcionar um estilo mais elegante de corrida.
Os atletas que correm tocando primeiro com os calcanhares no chão, assumem um estilo de corrida que se assemelha a uma pata choca, além de ter uma frequência de passada muito curta.

* Equilíbrio na movimentação dos braços. Uns movimentam os braços parecendo que estão querendo bater neles próprios pois os punhos quase tocam no queixo. Outros correm com os braços baixos, parecendo que estão a marchar numa Parada Militar.
O correcto é os braços estarem num ângulo de 90°, de maneira que quando os movimentamos para trás a mão deverá ficar na mesma direcção do tronco e o cotovelo ligeiramente elevado atrás das costas e quando o elevamos para frente o cotovelo deverá ficar perpendicular ao tronco.

* O pé! Muitos atletas correm com os pés virado para dentro, outros pisam no famoso dez para as duas, ou seja, pisam com os pés para fora.
Tanto uma forma como a outra, costuma acarretar lesões, a mais comum é a famosa tendinite na tíbia. O mais correcto é correr com os pés voltados para frente.

terça-feira, 22 de setembro de 2009


MEDITAÇÃO PELA PAZ 27 Setembro / 10.30 h / Torre de Belém


- uma iniciativa da Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência
Estou em forma.... depois da corrida de ontem hoje fiz duas horas de bicicleta!
Uma de RPM e uma de Spinning! Fiz a minha estreia no spinning....

Diferenças?

SPINNING
Simula pedaladas em diferentes tipos de terreno e trabalha vários níveis de frequência cardíaca.
A escolha das músicas fica por conta do professor e são músicas bem animadas, hoje foi com metálica hehehehe

RPM
A grande diferença entre o RPM e os outros programas de ciclismos indoor é que as aulas são pré-coreografadas, ou seja, elas já foram testadas e estudadas em laboratório antes de sua aplicação. No RPM o gasto energético é maior, além de termos uma rápida melhora na resistência geral e aumento na força muscular das pernas.
Como no caso do Sppining, o RPM também pode ser praticado por qualquer pessoa, pois pode ser trabalhado em intensidades diferentes dependendo do nível do praticante.
No RPM, as músicas são as que estão tocando nas rádios no momento.
A cada três meses há mudança nas músicas e nas coreografias.


No fim das aulas, se não fossem os meus pezinhos com os problemas de sempre .... até corria mais uns 10kms !!!

Sinto-me óptima.... só continuo inconformada com a quebra que tive nas pernas no fim da corrida Destak :-( já pensei que era por ter o pé entrapado, mas na altura nem me doíam os pés...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Corrida Destak

A Corrida Destak (10km) de Carcavelos à Baía de Cascais - partida marcada para às 09h30, que começou fora de horas.... atraso esse que criou algum desconforto entre os atletas!

De Carcavelos, seguiu em direcção à Parede, S. Pedro do Estoril, Estoril em direcção a Cascais.
O meu objectivo era melhorar o tempo, apesar de neste momento os treinos serem mais de resistência do que de velocidade.... isto para estar em forma na meia-maratona de Lisboa.

Apesar de uma queda na meta consegui fazer o tempo oficial de 00:52:43.
O meu muito obrigado a quem me ajudou na parte final quando caí.... para a próxima será melhor :-)

De qualquer maneira consegui um 14º lugar na minha classe!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Todos falam a mesma lingua!


Correr pode ir além da prática do desporto, está mais que provado que além do bem-estar físico existe também o bem-estar psicológico.
É normal ler-se cada vez mais que há muitas mulheres a participarem em corridas e também utilizam os treinos como uma fonte de resolução de alguns problemas, como aquela ideia que nos vem à cabeça e que afinal é a "luz" que precisamos.

É importante fazer do hábito de correr uma actividade relaxante e agradável, o convívio e a troca de impressões, não interessa faixa etária, económica ou cultural, todos falam a mesma língua.

PS: Cuidado com os cães !!! hehehehe Muito perigosos para os tornozelos...

Correr na gravidez

Segundo o American College of Obstetricians and Gynecologists o exercício tem riscos mínimos e pode ser benéfico para a maioria das mulheres. “A liberação de endorfina traz bem-estar e tranquilidade à grávida”, completa Cristina de Carvalho, treinadora da Assessoria Desportiva Projecto Mulher. Para o médico cardiologista Nabil Ghorayeb existem outras vantagens. “A mãe controla o peso, tem maior equilíbrio emocional e se prepara melhor para ajudar no parto. E o bebé acaba desenvolvendo mais tolerância ao stress, tem melhor evolução e menos gordura.”

É necessário antes de sair correndo pelas ruas, uma consulta com o ginecologista. Após avaliação do quadro médico é preciso adaptar o treino à nova realidade. É hora de deixar a performance de lado e focar somente no bem-estar.

Cuidados mês a mês
O primeiro trimestre é o mais frágil. Muito cuidado com a força e intensidade nos treinos. Logo que descobrir a gravidez, a mulher deve reduzir pelo menos 20% a intensidade e o volume do treino. A partir do quarto mês é possível manter a rotina de treino com pequenas adaptações. Caso não existam patologias na mãe e no bebé, como dores ou crescimento reduzido da criança, por exemplo, pode-se aumentar em 10% no volume no treino. No último trimestre da gestação a barriga e o peso limitam os movimentos. É chegada a hora então da redução gradual da carga de treino e diminuição da fase aérea. Uma redução de 50% do volume de treinos é indicada. Corra enquanto se sentir bem ou opte por uma caminhada nos últimos meses e bom parto.

Fonte: Revista Runner’s

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Dean Karnazes cai e parte três costelas

Ele relatou no site dele que durante uma das etapas da TransRockies Run, prova de 100 milhas por montanhas rochosas nos EUA, caiu sobre pedras e mesmo assim ainda correu durante dois dias. Ao ser examinado foi constatada as fraturas que o impediam de respirar.

Força para lutar é o que não falta a este senhor!

http://rodale.typepad.com/deans_run_home/
nada como ler o que ele próprio relata!

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Chocolate preto sem colesterol


Este é composto por substâncias de origem vegetal, pelo que não contém colesterol.
Já o de leite apresenta a gordura e, assim, o colesterol derivado desta. O problema que se poderia colocar no caso do chocolate preto é a gordura saturada da manteiga de cacau.
Este tipo de gorduras é responsável pelo aumento do nível de mau colesterol no sangue.
Mas o chocolate é excepção à regra: por conter um elevado teor de ácido esteárico, não incide sobre o nível de colesterol.
Baixa a tensão arterial, é bom para o coração, ajuda a prevenir o cancro e alivia também os sintomas da síndroma da fadiga crónica.
Os flavonóides do chocolate preto ajudam a melhorar o fluxo sanguíneo para músculos em exercício, bem como para o cérebro.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Sono

Não se pode recuperar grandes perdas de sono adquiridas durante a semana, nos fins-de-semana.
Uma pesquisa feita por Michael Vitiello, da Universidade de Washington, foi descoberto que indivíduos que corriam ou caminhavam por 40 minutos, 3 vezes por semana, tiveram períodos prolongados de sono ao compararem com os indivíduos sedentários. Tanto esta como outras pesquisas afirmam que o exercício de alguma forma altera o metabolismo dos indivíduos implicando numa maior necessidade de descanso durante o sono. Embora pessoas com serotonina alta após o exercício têm dificuldades para dormir. Por isso, pessoas com problemas para dormir não devem fazer exercícios antes de ir pra cama, pois podem ter dificuldades para relaxar. Com excepção de actividades que trazem relaxamento como as aquáticas, yoga, etc....Enfim, para melhorar a qualidade de sono, comece lentamente, ou seja, respeite seus limites e nível de treino.
E claro ! Com uma boa alimentação sem exageros antes de ir pra cama.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Espirometria!

Nunca me tinha lembrado... tenho que fazer esse teste.

Nas duas últimas provas a minha capacidade de resistência piorou e senti uma certa pieira ao entrar na fase anaeróbica... Fui ao médico e ele disse que poderia estar a desenvolver "asma por esforço", confesso que nunca tinha ouvido tal!

Fiquei triste, mas não me conformo em saber se é realmente isso ou não... pode até ser uma situação pontual de cansaço, visto as minhas férias ainda não terem chegado e o descanso não ser muito, ou eventualmente, alguma constipação mal curada.

Não quero que nada perturbe os meus treinos e as minhas corridas :-(


Sugeriram-me fazer este teste que aqui referencio, acho que é uma boa aposta para saber o que tenho!

Espirometria é um teste que permite medir o fluxo de ar nas vias respiratórias ou brônquios (os tubos que transportam o ar para os pulmões), comparando os resultados com os obtidos por pessoas saudáveis com a mesma idade e altura.Tem como indicações a investigação de sintomas respiratórios (tosse, pieira, falta de ar, etc); o diagnóstico e a avaliação de asma e de doença pulmonar obstrutiva ou bronquites que de alguma forma perturbam a mecânica ventilatória. Pode medir a incapacidade funcional dos pulmões; avaliação pós-operatória; e avaliação e diagnóstico de doenças respiratórias relacionadas ao trabalho.A Espirometria permite verificar se existe obstrução ao fluxo de ar, ou seja, se as vias respiratórias estão anormalmente contraídas, ou se o volume dos pulmões está normal. São realizados ainda testes após o uso de medicação broncodilatadora, determinando se a obstrução é reversível ou não. Com este procedimento pode-se diagnosticar a presença de asma e o quanto há de melhora após o uso do broncodilatador.

sábado, 8 de agosto de 2009

Respiração ofegante!

  • Respiração ofegante, porém, sem desconforto muscular: Indica que o corredor está em seu limiar anaeróbio, ou seja, correndo em um ritmo moderado, às vezes intenso, porém confortável; continuar dependerá da sua capacidade de resistência e do seu nível de treino que determinarão a duração máxima em que esse esforço poderá ser sustentado. É o ritmo típico do maratonista competitivo.
  • Respiração ofegante e desconforto muscular, porém, sem endurecimento dos músculos: Sinal de que o corredor ultrapassou o seu limiar anaeróbio e está produzindo uma quantidade de ácido láctico (além de causar a sensação de cansaço e mal estar durante o exercício, ele também é utilizado como fonte energética) no limite ou acima da capacidade dos músculos. O ritmo está forte, intenso, e o momento de parar está próximo. Situação característica dos corredores de 5-10 km.
  • Respiração ofegante, sensação de ardor e endurecimento muscular: o aviso de que a corrida chegou ao fim, o ritmo extrapolou a duração prevista. O corredor foi além do que podia para o seu condicionamento e o seu organismo fê-lo parar, antes que desfalecesse.

Melhorar a performance!

Quando se está a correr, é comum a sensação de que é impossível ir mais rápido. É normalmente atribuído a factores como o aumento da frequência cardíaca, acumulação de ácido lácteo, falta de oxigénio nos músculos, desidratação etc. Será?
Estudos têm demonstrado, cada vez com mais frequência, que existe sempre uma reserva no organismo, ou seja, é sempre possível fazer um pouco mais. O motivo de existência desta reserva é preservar o organismo contra cargas que possam ser perigosas demais.

RITMO CONSTANTE? QUEM DISSE?

RITMO CONSTANTE? QUEM DISSE? Os livros mais tradicionais de fisiologia do exercício (não os escritos por treinadores!) sugerem que a estratégia mais eficiente para completar uma corrida é correr em ritmo constante durante o tempo todo. Isto porque a fisiologia trabalha numa lógica em que o corpo está sempre em seu limite, e um ritmo constante não causaria acúmulo de lactato ou depleção de "combustíveis" em níveis que causariam fadiga no início da prova, impedindo o corredor de continuar o esforço.

Porém, analisando as competições dos melhores corredores do mundo só podemos chegar a conclusão de que eles não gostam de ler os livros de fisiologia do exercício! Veja, por exemplo, o gráfico da performance do etíope Kenenisa Bekele durante a conquista de sua segunda medalha de ouro nos 10.000 m, durante as Olimpíadas de Pequim, vencida em 27:01.17 (ao lado).

Bekele, ao invés de manter um ritmo constante, acelerou durante toda a prova! Os primeiros 5 km foram corridos em 13:48.5, e a segunda metade em 12:52.7. Isso quer dizer que os últimos 5 km foram corridos aproximadamente 5.6 segundos mais rápidos por quilómetro.

Por outro lado, Bekele preferiu não começar num ritmo muito forte. Então, antes que você desista desta matéria, vamos aprofundar um pouco mais a análise. Bekele começou num sprint de 14.7 segundos para os primeiros 100 m, e logo depois já estava correndo em 16.2 a 18.5 segundos cada parcial de 100 m (a média das parciais de 100 m foi de 16.21 segundos). Isto é dependente de um factor básico: algumas provas se correm para ganhar, outras, para bater recorde. Quando se corre para ganhar, se busca uma estratégia que permita "matar" os adversários, mas também permita ao corredor ter alguma reserva no final para qualquer eventualidade. Foi exactamente o que ele fez, ao puxar um ritmo cada vez mais forte ao invés da esperada queda de ritmo no meio da prova, sem que isso lhe impedisse, no entanto, de correr a última volta em menos de 54 segundos. Imagine-se agora na situação de oponente de Bekele, tentando suportar o ritmo ao seu lado...

Para dar mais força ao contraste entre o correr para ganhar e o correr para bater recorde, veja ao lado as provas do queniano Sammy Wanjiru (2:06:32) quando foi campeão olímpico em Pequim, e do etíope Haile Gebrselassie, quando bateu o recorde mundial da maratona em Berlim (2:03:59).

Descontando-se variações em percurso e clima, observe as diferenças de mudança de velocidade entre os dois corredores. Haile correu uma prova "tranquila", esforçando-se o tempo todo, e com a ajuda de pacers para bater o recorde mundial da prova. Ele começou num ritmo mais acelerado pelos primeiros 10 km, desacelerando um pouco até a marca dos 30 km e então voltou a apertar o passo. Já Wanjiru correu sob condições climáticas bem mais adversas, numa prova repleta de corredores ambicionando a medalha de ouro. Uma prova assim apresenta várias "escapadas" do pelotão principal, e o ritmo se torna muito mais variado.

Para quem deseja melhorar sua marca pessoal, é melhor inspirar-se no exemplo do recorde mundial de Haile. Pratique em seus treinos, nas sessões mais longas e em corridas menos importantes, qual a melhor táctica para maximizar sua performance. Descubra por quantos quilómetros você consegue sustentar um ritmo um pouco mais forte no início da prova, e quando você consegue iniciar seu "sprint" ao final dela, e conquiste seu tão sonhado recorde!

Revista Contra Relogio

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Uma das estratégias aplicadas para aumentar a performance de longa duração é a utilização dos treinos em altitudes elevadas.

Ao nível do mar, a atmosfera contém cerca de 21% de oxigénio. À medida que subimos de altitude, a percentagem de oxigénio diminui e o ar torna-se mais rarefeito.
As primeiras alterações visíveis são o aumento dos batimentos cardíacos, tal alteração determina adaptações fisiológicas, tais como, aumento da ventilação pulmonar.

No entanto, e por razões desconhecidas, nem todos os indivíduos respondem da mesma forma ao treino de altitude. Cientistas identificaram uma classe de atletas que não parecem apresentar qualquer alteração de rendimento com a exposição à hipoxia. (Hipoxia ou hipóxia é um estado de baixo teor de oxigénio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores. Um desses factores é a mudança repentina para ambiente com ar rarefeito como os locais de grande altitude).

Para atletas de competição, com planificações de treino, um estágio nas montanhas implica muitas vezes longas temporadas fora de casa, em condições climatéricas adversas. A solução é simular a altitude nas chamadas tendas de hipoxia.
A ideia surgiu no início dos anos 90, na Finlândia, com as “casas de altitude”, bombeadas com nitrogénio para recriar o ar da montanha.

Apesar dos estudos e dos congressos científicos recentemente realizados sobre o tema, o treino em altitude ainda não é totalmente aceite. No mundo do desporto há quem conteste a utilização das tendas de hipoxia, comparando-as ao uso de doping.
.../... A distância que se corre não é o mais importante e sim a satisfação que ela nos traz. .../.... palavras de João Gabbardo dos Reis

Corrida da Linha DESTAK


O Destak e a Câmara Municipal de Cascais voltam a organizar a Corrida da Linha Cascais Destak

Já estão abertas as inscrições:
10km Carcavelos - Cascais
Domingo, dia 20 de Setembro
Esta prova é homologada pela Federação Portuguesa de Atletismo
A actividade física aumenta a qualidade de vida e diminui a incidência de doenças. Está provado que melhora a capacidade aeróbia, a composição corporal, a força muscular, a flexibilidade, o equilíbrio, reduz a pressão arterial, aumenta a densidade óssea, melhora o perfil lipídico, reduz a glicemia, além de melhorar o humor e combater a depressão.

Em primeiro lugar, não acredito que alguém não tenha 30 minutos diários para cuidar do que é mais importante para cada um de nós, que é a nossa saúde. Nestes 30 minutos, podem-se desenvolver algumas actividades físicas, como caminhar, nadar, andar de bicicleta, dançar etc. Podemos realizar algumas tarefas que deixamos de fazer, como lavar o carro, ir a pé para fazer as compras, etc. Outra mudança de hábito é deixar de usar os elevadores fazendo uso da escada. São coisas simples, que podemos tornar agradáveis e que, com certeza, terão um impacto altamente positivo na nossa saúde.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Gripe A (H1N1)

Mensagem pessoal da Comissária Androulla Vassiliou

"Em período de potencial crise sanitária, é importante que os cidadãos recebam informações claras, coerentes e actualizadas sobre a rápida evolução da situação. O Centro da Comissão Europeia encarregado da gestão de situações de crise no domínio sanitário está em contacto 24 horas por dia com os Estados-Membros da UE, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (CEPCD), a OMS, os Estados Unidos e o México para controlar a propagação da gripe A (H1N1) e coordenar a resposta da UE.
Não se deve subestimar a situação, mas também não há razão para pânico. Preparámo-nos já há alguns anos para um acontecimento deste género na UE. A experiência adquirida nos últimos anos com a síndroma respiratória aguda (SRA) e a gripe aviária colocou-nos em muito melhores condições para reagir a situações deste tipo. Dispomos agora de sistemas de vigilância e de alerta muito mais eficazes.
Em estreita colaboração com os nossos parceiros no mundo inteiro e através de uma informação transparente, continuaremos a fazer tudo que estiver ao nosso alcance para proteger a saúde dos cidadãos da UE."

Androulla Vassiliou, Comissária Europeia da Saúde

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Bóra lá prá próxima!




Diferenças entre homens e mulheres

As mulheres têm uma formação óssea mais leve do que a do homem e consequentemente maior facilidade de deslocamento. Quando pensamos em treino de corrida, muitas vezes traçamos uma comparação da capacidade de desempenho desportivo do homem e da mulher. Respeitando as diferenças específicas de cada sexo, quanto à sua genética e principalmente entendendo a parte constitucional, podemos traçar um perfil mais elaborado no treino para o sexo feminino, valorizando tais diferenças na distribuição e no planeamento das cargas.

Pontos a serem observados:
Geralmente as mulheres são mais baixas por terem uma maturação mais rápida do esqueleto e um fechamento mais precoce dos discos de crescimento. É importante perceber na fase de crescimento, qual é a direcção (velocidade ou resistência) que dará a jovem adolescente com a sua respectiva altura.

As maiores diferenças do esqueleto entre homens e mulheres aparecem na região da bacia óssea. Por apresentarem quadris mais largos, as mulheres acabam compensando a formação de uma posição fisiológica das pernas em x, o que favorece o aparecimento de lesões.

Trabalho de reforço muscular é muito importante como prevenção a essa característica.
As mulheres têm uma formação óssea mais leve do que a do homem e consequentemente maior facilidade de deslocamento e uma menor força, pois suportam menos carga.
Na parte do tecido adiposo, as mulheres apresentam maior quantidade de gordura quando comparadas ao sexo masculino. Aproximadamente 10 % a mais, principalmente no tecido conjuntivo (abaixo da pele). Isso propicia uma tendência a usarem a gordura como fonte de energia, e do ponto de vista fisiológico, terem maiores facilidades em desportos de resistência.
Na parte de tecido muscular as mulheres tem menor quantidade que os homens, tanto de forma relativa, como de forma absoluta. Isso implica em trabalhos de força diferenciados, onde precisamos respeitar essas diferenças significativas.

Do ponto de vista cárdio circulatório, as mulheres apresentam corações menores.
Quando aplicamos cargas de treino grandes, elas precisam de regular uma maior necessidade de oxigénio, principalmente através de um aumento não económico da F.C. Dessa forma, geralmente apresentam F.C. mais altas quando comparadas ao sexo masculino.
Quanto à parte pulmonar, a constituição das vias respiratórias nas mulheres é menor, levando a um resultado inferior da parte ventiladora quando comparadas aos homens.

O metabolismo basal nas mulheres é 10 % mais baixo que nos homens. Isso implica um menor consumo energético e maior predisposição para engordar.

O ciclo menstrual, dependentemente da sua fase, altera o rendimento dos treinos e o desempenho físico.
A fase pós menstrual (primeira semana após a menstruação) é a melhor fase para um bom rendimento. Desta forma, cargas mais intensas de treinos devem ocorrer nessa fase.
Ao contrário, a fase pré menstrual, (principalmente os dias imediatamente antes da menstruação) é considerada como uma fase de desempenho físico reduzido.
Por isso nessa fase devem ser feitos apenas trabalhos leves e regenerativos.

Todas as diferenças apresentadas, devem ser levadas em conta num treino de corrida para mulheres, respeitando as suas características funcionais, que valorizarão a sua saúde e ajudarão num óptimo desempenho físico.

Escrito por Luiz Fernando

Queria ter feito melhor!









Lá consegui um tempito de 52' e qq coisita :-(

tenho que melhorar!

Mas é sempre bom participar!


E é giro ver que apesar de não falar já vou conhecendo uma e outra cara "conhecida" nestas corridas :-) até à Av. de Berna fui atras de dois corredores do Run 4 Fun - R4F, uma equipa e tanto!




Mais de 4.500 pessoas participaram esta manhã na corrida e na caminhada pela inclusão social realizada no âmbito das comemorações dos 511 anos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML).



sábado, 27 de junho de 2009

CORRIDA E CAMINHADA PELA INCLUSÃO SOCIAL

CORRIDA E CAMINHADA PELA INCLUSÃO SOCIAL
511 ANOS DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA

DATA: 5 de Julho de 2009
Lisboa (partida frente Palácio da Justiça - Parque Eduardo VII; chegada Rossio)


DISTÂNCIA
10.000 m (e também uma mini-corrida/caminhada de 5 km e ciclismo 10km)

bóra lá pessoal!

Sherlock Holmes e Watson vão acampar

Sherlock Holmes e Watson vão acampar.
Montam a tenda e, depois de uma boa refeição e uma garrafa de vinho,deitam-se para dormir.
Algumas horas depois, Holmes acorda e diz para o seu fiel amigo:
- Meu caro Watson, olhe para cima e diga-me o que vê.Watson responde:
- Vejo milhares e milhares de estrelas.Holmes, então, pergunta:
- E o que isso significa?Watson pondera por um minuto, depois enumera:
1. Astronomicamente, significa que há milhares e milhares de galáxias, e,potencialmente, biliões de planetas.2. Astrologicamente, observo que Saturno está em Leão e teremos um dia desorte.3. Temporalmente, deduzo que são aproximadamente 03 horas e 15minutos pelaaltura em que se encontra a Estrela Polar.4. Teologicamente, posso ver que Deus é todo-poderoso e somos pequenos einsignificantes.5. Meteorologicamente, suspeito que teremos um lindo dia.Correcto?

Holmes fica um minuto em silêncio e diz:
- Caramba Watson, não vês que nos gamaram a tenda?!!...

Moral da história: A vida é simples, nós é que a complicamos.

terça-feira, 23 de junho de 2009

NÃO FALTE!

No próximo dia 27 de Junho faça um pouco de exercício físico e apoie uma causa especial.
Vá até ao Parque das Nações e participe a correr ou a andar na

CORRIDA VENCER O CANCRO
http://www.vencerocancro.com/

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Corridas!


E mais um fim de semana de corrida, desta vez consegui melhorar o meu tempo mas com algum esforço apesar de serem poucos Kms (Marginal à Noite - 8Kms), não estava na minha melhor forma.

Este mês tem sido muito bom, todos os fins de semana há provas hehehehe
e... já tenho umas tantas para Julho!


Correr vicia independentemente do objectivo de cada um... Quando se corre por gosto … cansa mas vicia!

A prova que participei com um maior número de quilómetros foi a “Corrida das Lezírias”, em piso misto, 15kms.

Geralmente as que participo são as de 10Kms.

Estou a prepara-me para no fim do ano fazer a minha primeira meia-maratona (21kms).

Questão pertinente...

Durante muitos anos andava só de transportes públicos, hoje tenho viatura própria, mas continuo a utilizar os transportes públicos.

Esta questão é pertinente.

Retirar carros da cidade e apostar nos transportes públicos seria o ideal para que o trânsito pudesse fluir, os níveis de poluição baixassem e de alguma forma a qualidade de vida de todos nós aumentasse.

Como trabalho fora de Lisboa levar o meu carro, todos os dias para o trabalho, é incomportável, especialmente, devido à despesa que isso representa ao nível do preço da gasolina que está muito alto.

Tento utilizar ao máximo os transportes públicos, mas é constante a carência de um número eficaz de transportes públicos que se sente em Lisboa e aqueles que existem em certas horas não conseguem dar vazão ao número de passageiros.

Outra causa que afecta o custo de utilização de viatura própria é o problema do estacionamento que é escasso ou então está parqueado, o que custa uma fortuna quando se tem que o utilizar todos os dias.

Devido às políticas que foram seguidas e que sempre privilegiaram a utilização de viaturas próprias embora seja dito o contrário, actualmente existem cada vez menos pessoas a utilizar os transportes estando estes reservados para trabalhadores imigrantes e jovens o que em algumas zonas tem causado graves problemas de segurança como por exemplo na linha de Sintra.

Na minha opinião o que ainda funciona melhor é o Metro que pelas suas características mostra-se um meio de locomoção rápido e eficaz, por isso acho que o Metro deveria ser alargado por toda a cidade e arredores de modo a ser utilizado em todas as periferias da cidade.

As restrições à circulação aos automóveis em Lisboa e o controle de velocidade ainda causam mais engarrafamentos, mas isto porque não há transportes públicos que compensem a não utilização de viatura própria.

Também existe o problema cultural, a nossa preguiça, muito embora eu pense que com meios de transporte adequados e compensadores essa mudança cultural iria ter lugar e possivelmente iríamos conseguir uma maior taxa de utilização de transportes públicos com a consequente melhoria das condições ambientais da cidade de Lisboa.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Algumas considerações !!!


Todas as doenças são más, no entanto, existem algumas que são tristes porque o envelhecimento torna as pessoas totalmente dependentes de todos, não só da família como de médicos e de instituições.
Em Portugal existe pouco apoio às pessoas mais necessitadas. Existem os lares mas geralmente os que são bons são muito caros – só para quem tem dinheiro!Creio que hoje em dia as pessoas começam a pensar de uma outra forma, mas ter um parente num lar não é necessariamente para o deixar lá a morrer….Os lares são instituições importantes para pessoas com doenças degenerativas em que os familiares já não conseguem tratar, mesmo que queiram. O pessoal técnico dos lares têm formas de tratar das pessoas de uma forma que em casa não é possível.

Para além disso se uma pessoa tem um problema deste tipo nos hospitais não podem ficar, o Estado não permite que fiquem a ocupar camas que podem ser necessárias a outros doentes.
Pergunto-me então como é possível este tipo de pessoas, com este tipo de doenças sobreviver? Sobreviver se não têm apoios? Sobreviver porque por vezes nem têm dinheiro para os medicamentos!Cada vez mais o apoio à 3ª idade é menor e cada vez a nossa população é mais velha…. Para onde caminhamos?É feito muito pouco para as pessoas mais idosas. Seria útil o estado português com metade do dinheiro que utiliza para as campanhas políticas construir lares, por exemplo…. E com certeza que muitas mais ideias viriam se propusessem a fazer alguma coisa concreta!A economia do país cada vez está pior, hoje em dia cada vez mais pessoas ficam desempregadas e cada vez são menos os que descontam para a Segurança Social… os apoios aos desempregados e subsídios de desemprego são cada vez mais, isto é uma realidade! Será que não existe uma política alternativa para dar um “volte-face” ao problema existente nos dias de hoje?Os jovens cada vez sabem menos, cada vez há menos exigências em termos de escolaridade, cada vez se sabe menos e cada vez mais começam a trabalhar mais tarde, quando arranjam trabalho. Os pais continuam a ter que sustentar os filhos até bastante tarde porque não há emprego, os pais ficam desempregados …. E o governo fala mas não faz nada!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Transcrevo um Artigo Interessante da Sportlife....

Vais aumentando de peso com o passar dos anos?


Infelizmente é um mal comum, não é excepção. Apesar de continuar a fazer desporto e comer mais ou menos o mesmo, começas a notar que a cintura aumenta um bocadinho. Se continuares activo, o teu metabolismo permanecerá excelente, embora não ao nível dos teus 18 anos. Isto passa-se devido à diminuição de certas hormonas como o DHEA, responsáveis pela distribuição da gordura pelo corpo. Para que não tenhas de aumentar o número de buracos no cinto, lê os nossos conselhos:
- Estudos demonstram que aqueles que comem grandes quantidades de fruta e vegetais têm cinturas mais reduzidas do que as pessoas que dão pouca preferência a esse tipo de alimentos. Os investigadores afirmam que uma dieta “com muito verde” ajuda a eliminar as descidas e subidas repentinas de açúcar no sangue que influenciam as hormonas responsáveis pela acumulação de gordura.
- Os produtos integrais “controlam” o tamanho da cintura dado o seu alto teor em fibras que favorece o trânsito intestinal e uma eliminação mais eficaz das gorduras.
- Estar em forma é fundamental. Se fazes pouca actividade física experimenta aumentar o volume. Se já praticas com alguma regularidade tenta fazer treino cruzado ou seja que implique diferentes tipos de actividades (cardiovascular, força, resistência…)
As mudanças estimulam o metabolismo.Reduz o consumo de álcool. Duas cervejas não te vão prejudicar muito mas a partir dessa quantidade por dia, deves começar a preocupar-te.

Publicado: Por Sportlife 12/06/2009 09:02

'Penso, logo existo'
“Cogito, ergo sum”


“Este é o princípio fundamental de toda a certeza racionalista. Para chegar ao 'penso, logo existo', Descartes utilizou-se da dúvida radical ou hiperbólica. Ele duvidou inicialmente de suas sensações como forma de conhecer o mundo, pois as sensações enganam sempre, duvidou posteriormente da realidade externa e da realidade dos seu corpo como forma de comprovar que o conhecimento certo, através do argumento do sonho, duvidou da certeza advinda das entidades matemáticas, através do argumento do gênio maligno, mas não teve como duvidar que estava duvidando. Eis aí a primeira certeza: duvido, logo existo, mas duvidar é um modo de pensar, então: 'Penso, logo existo.', que significa: penso, logo tenho consciência de mim mesmo, ou penso, logo sei, ou penso, logo tenho consciência, ou penso, logo sei algo certo.” – Conceitos de Filosofia …/… é o pensamento que expressa a existência humana. A Razão – essa faculdade aparentemente tão fluida – é que é nossa característica fundamental!


"Somos o que podemos ser..."