terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Maratona Clube de Portugal

GOSTEI, GOSTEI DESTA MENSAGEM DE NATAL
.... para todos nós irmos pensando já nesta próxima :-))))))))))

FELIZ NATAL PARA TODOS !

54º GRANDE PRÉMIO DE NATAL

Domingo passado mais uma prova do Grande Prémio de Natal que decorreu lindamente apesar dos meus receios.

Eu e o Carlos deixamos o carro no estacionamento da Praça da Figueira e com o frio que sentíamos fomos a correr até ao Saldanha, com a sorte de termos apanhado quase todos os sinais verdes abertos para peões... sempre a andar... sempre a acelerar....

Quando chegamos ao Saldanha procurámos o Carlos Lopes e lá estava ele  :-))))  a distribuir os dorsais.... Obrigada Carlos Lopes pelo trabalhão que tiveste....

Depois fomos encontrando um e outro e outro membro do Portugal Running e fomo-nos juntando, trocando ideias e brincando mas eu já estava a ficar enregelada no fim de suar ficar ali parada. Muitas promessas de treinos para o próximo ano e muita discussão também para uma prova Pirata em substituição da prova "XXII G.P. Fim da Europa" que foi cancelada. Pareceu-me também alguém dizer que o Fernando Andrade nos poderia ajudar porque é um "expert" da zona. Vamos ver como correr os projectos...

Vi a Eugénia que me encontrou mas depressa a perdi, pensei eu fazer a prova ao lado de muitos dos que se juntavam a nós e que fazíamos sensivelmente os mesmos tempos. Já que tenho fama de conversadora, então conversava.... O Mário Lima também presente e que depois ficou entretido na conversa com uma lady... como o Carlos diz... aquele charme não passa despercebido!

Eu e o Carlos fizemos a prova os dois em conjunto e o resto do pessoal disperso, nem mesmo durante a prova vi o pessoal... evaporaram-se !!!



Fotografia tirada pela Mafalda / João Lima
(obrigada pela foto)
 
O pé? O pé "mordeu" um bocadito nas subidas mas nada de especial, depois nas descidas é que foram elas.... e eu nessa altura pensei no meu amigo Jorge Branco, pois para se "sofrer" não é preciso fazer a Maratona... basta ter um pé coxo e querer fazer 9kms o mais rápido possível.

Eu e o Carlos acabamos com o tempo de 42'04... "muita fixe" !!!
Vou aproveitar a época natalícia para deixar o pé descansar um bocadinho e atacar na próxima semana para a S. Silvestre da Amadora!



Vou aqui por algumas fotos que "roubei" do pessoal :-)







segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A Minha 2ª Maratona – Maratona de Lisboa – 4 Dezembro 2011



Não quero que o meu relato pareça daqueles dos "Óscares" e outros... mas vai parecer isso sim !!! hahahaha

Objectivo concluído com êxito dentro dos objectivos a que nos propusemos!

Até aos 30kms quase sempre estivemos juntos em amena cavaqueira mas depois começaram a pesar as "palavras" e uns foram correndo mais devagar que outros, fomos fazendo o que pudemos e entre ajudando-nos conforme foi possível.

Tempo? Para quê saber dos tempos ? Uma equipa maravilhosa com amigos e isso é que importa.

Fiquei contente comigo, muito contente porque apesar do meu receio senti-me muito bem e fiz muito melhor do que pensava.

A todos os que me acompanharam desde o início:
Carlos Renato, Jorge Almeida, Mário Lima, José Lopes e Ivo Rosa

e as "lebres":
Eugénia Vale e o marido, Paulo Lapão, António e Bento Quaresma

....que fomos tendo pelo caminho o meu MUITO OBRIGADA!

E por todos os que me deram força com as vossas palavras ao longo do tempo…

Pronta para outra, sem dúvida, mas não para já :-)

Vou publicar algumas fotos, umas minhas outras que nos foram tirando e com elas fica está história da minha 2ª Maratona…. Feliz!!!

Ao Fábio Dias um grande beijinho e votos de que não percas essa força mental que te fez fazer esta Maratona.

Estou a providenciar a compra da Taça prometida :-)



foto José Lopes

foto Egas Branco - ÚLTIMO KM

 




foto José Lopes

(Carlos Renato, Jorge Almeida,  eu,  José Lopes,  Joaquim Adelino,  Mário Lima
- TODOS À ESPERA DO FÁBIO DIAS)







segunda-feira, 21 de novembro de 2011

o outro treino... o de dia 20.... com o grupo "Portugal Running" do Facebook

Hoje  vou limitar-me a transcrever alguns comentários da descrição deste treino... o de domingo, 20...
Ri-me, ri-me bastante ...

(espero não me esquecer de ninguém):

Henriqueta Solipa com
Carlos Renato, Jorge Almeida, Carla Teixeira, Margarida Fernandes, Vital Lacerda, Pedro João Reis, Bento Quaresma, Luís Afonso, Ricardo Arraias

Comentário FB de Vital Lacerda:
"Apesar de já terem feito 15km, como podem ver pela foto o Pedro João Reis tinha acabado de chegar e estava fresquinho para começar a treinar. Retomados os treinos, e uns kms mais á frente o Carlex Stradivarius, resolveu fazer uns sprints como se não passasse nada. A Henriqueta Solipa a meio do treino apeteceu-lhe fazer um desvio e antes de se juntar a nos no Jamor foi dar uma voltinha a 'queijas'. Enquanto esperávamos, a Carla apeteceu-lhe ir dar umas braçadas na piscina do Jamor. Eu como não gosto que olhem para mim a correr, apareci tarde para fazer o percurso sozinho. E o resto da Malta que estava a treinar não sabia o que dizer de todo sobre tão organizado treino."

Comentário do Carlos
"Um espectáculo ....... o Bento Quaresma é que fugiu de tanta loucura, ele já está habituado a ir treinar 10kms e acabar a fazer 20kms"

".... estamos a atingir o conceito de treinos elásticos .... em que existem várias distâncias e vários percursos e cada um escolhe o que quiser ..."

...o meu GPS marcou 24,19kms

nas fotos falta o Bento Quaresma que estava ansioso para ir para casa hehehe






domingo, 13 de novembro de 2011

o treino....

Triste com o resultado....

Fomos bem acompanhados por mais cinco companheiros do Portugal Running (Miguel Pinho,  Floriano Silva,  Pedro João Reis,  Albísio F Magalhães e nós!) + o Armindo!!! (não me enganei nome pois não?)

A caminho da Expo tudo correu às mil maravilhas, uns um pouco à frente outros um pouco atrás depois em dada altura juntavamo-nos um pouco e o convívio foi muito agradável.

Quando cheguei ao empedrado perto dos restaurantes da Expo espalhei-me como vai sendo o meu costume. Não sei bem porquê mas ia na conversa e escorreguei num alto de pedra feito de raiz de árvore.

Não parecia nada de especial, estava quente, mas ao fim destas horas todas confesso que o meu joelho doí bastante :-( a ferida é o menos o que me preocupa é o hematoma e a dor. Lá vou ter que ter cuidados redobrados nos próximos treinos e com a Maratona à porta....

Continuámos e fomos dar a volta mais à frente com cerca de 17kms.... junto do Trancão.

Na volta o Carlos e o Jorge foram ficando um pouco para trás, um cor dor no joelho o outro com dor no pé. Chegámos a Stª Apolónia e já não deu mais.... apanhamos um táxi para o carro. 

Acabámos o treino com cerca de 27kms embora o meu GPS não ter feito bem as contas e achou que só tinha corrido 15kms. 




Segundo creio e por exclusão de partes, já que o erro foi só no meu, deve ter sido um pacote de lenços que a meio do caminho resolvi meter junto do mesmo... deve ter feito perder o sinal deduzo eu.

Pelas contas do Carlos deve ter sido o treino mais lento que alguma vez fizemos :-(

Fora a história do joelho até me estava a sentir bem.


No fim deste treino tive a feliz noticia de que o Fábio Pio Dias sempre vai fazer a Maratona e diz que acaba. Espero que sim!!! Já não tem é tempo para treinar mas fico a torcer por ele.



o treino.... passado e .... treino futuro.....

No Domingo passado fomos treinar e um treino que inicialmente seria para ser de 15kms rapidamente passou a 20km e tal....

O Bento Quaresma do grupo Portugal Running do Facebook juntou-se a mim ao Carlos e ao Jorge e para azar dele disse que gostaria de um dia fazer uma meia maratona. Ele só fazia provas de 10kms e treinava distâncias curtas.


Posto isto resolvemos demonstrar-lhe como seria fácil rapidamente passar à fase seguinte com companhia e assim foi. 

Amanhã vamos fazer 35kms com mais pessoal do mesmo grupo e confesso que já estou baralhada com quem vai visto ter sido um treino combinado online.... uma nova vertente futurista :-)

Vou dormir para amanhã estar fresquinha mas não deixo de estar apreensiva. 

No ano passado sentia-me muito melhor preparada para fazer a Maratona, este ano tem sido difícil para mim...

Vamos ver o que vos consigo relatar amanhã e como me senti.... espero que o tempo não fique muito agreste.... 
aceito uma chuvinha mas não um dilúvio :-))))))))))


Boa prova para todos os que vão amanhã participar nelas.

Que pena eu tenho de não ir à 1ª da Ajuda :-(



sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Ponto de Vista (2)

Revista Contra Relógio  
 
// ESPECIAL //

Treine menos, corra mais rápido

Edição 179 - AGOSTO 2008 - SÉRGIO ROCHA

É possível correr bem uma maratona treinando somente 3 dias por semana? A resposta dos professores Bill Pierce, Scott Murr e Ray Moss da Universidade de Furman (Carolina do Sul, EUA) é que sim. Eles são os fundadores do Furman Institute of Running and Cientific Training (F.I.R.S.T.) e publicaram no início de 2007 o livro chamado Run Less, Run Faster (Corra menos, corra mais rápido, Editora Rodale, sem previsão de lançamento no Brasil).

O CONCEITO. A proposta do F.I.R.S.T. consiste em se fazer 3 treinos de qualidade e em outros 2 dias "cross-training", ou seja, em vez de trotes regenerativos, fazer treinos aeróbicos sem impacto, como natação ou bicicleta ergométrica. O programa serve para todos os tipos de corredores, especialmente os que têm pouco tempo para treinar, como aqueles que se lesionam em treinos com muita quilometragem. Ou simplesmente para os que buscam uma abordagem diferente em relação ao treinamento de corridas de rua.



TESTE. A Contra-Relógio decidiu testar o programa, através do editor de arte, Sérgio Rocha, comprando o livro e o seguindo, tendo em vista a Maratona de Porto Alegre 2008. E funcionou: Sérgio Rocha fez 3:47:55, melhorando em quase 30 minutos o resultado obtido na mesma maratona em 2006.
Os três treinos semanais são divididos em: 1) tiros em pista ou local com distâncias aferidas, 2) ritmo e 3) longão. Esses treinos não são "fáceis". O fato de se correr apenas três vezes por semana significa que os treinos são muito mais exigentes e intensos do que os corredores estão acostumados nos treinos "convencionais".

O treinamento é baseado em metas fixas de ritmo, que são estabelecidas a partir de resultados recentes obtidos em provas. De fato, as primeiras semanas de treinamento são duras, mas com o passar do tempo as metas passam a ser atingidas com relativa tranqüilidade.
Para conhecer melhor o treinamento, acesse (www.furman.edu/first). No site estão planilhas para provas de 5 e 10 km, meia-maratona e maratona. Também há tabelas de tempos para os treinos de ritmo, os longões e uma tabela que determina o padrão de tempo a ser seguido baseado em resultados obtidos em provas disputadas. Só não há a tabela para os treinos de tiros, que provavelmente não está lá para encorajar a compra do livro.

CROSS-TRAINING. Uma das chaves do sucesso do treinamento é o cross-training. Na verdade, é o que eles defendem como uma maneira de melhor regenerar a musculatura usada na corrida, mas mantendo a intensidade do treinamento aeróbico. Portanto, o cross-training nada mais é do que uma opção diferente aos trotes tradicionalmente usados nos programas ditos "convencionais" de maratona. Usando a natação ou o ciclismo, o corredor aumenta sua capacidade aeróbica sem desgastar a mesma musculatura usada na corrida, afastando o aparecimento de lesões decorrentes de grande volume de corrida derivado do tempo em que se "bate o pé no chão". Pode se usar como cross-training, além de natação e bicicleta, o deep running (corrida na água), remo ou aulas de spinning.

CONCLUINDO. É claro que todo treinamento tem seus poréns. O primeiro é que nem todos os corredores gostam de fazer outra atividade física que não seja corrida. Outro é não existir nem um treino "leve" na planilha, o que tira um dos maiores prazeres do corredor, que é treinar sem compromisso, já que se tem que correr sempre "contra o relógio" e bem focado.

Alguns corredores se dão melhor com maior volume do que intensidade, e outros se lesionam com facilidade em treinos muito intensos. Nos fóruns de corredores há muita polêmica envolvendo esse treinamento, e recebe crítica principalmente dos corredores rápidos (aqueles que fazem maratonas abaixo de 3 horas, por exemplo) e que seguem tendo ótimas performances usando os treinos baseados em grande volume de quilometragem (veja a resposta de Bill Pierce a essa questão na entrevista ao seguir). De qualquer forma, o treino da F.I.R.S.T. funciona como qualquer outro, se seguido com disciplina e foco. Mas cá entre nós, quando se corre apenas 3 dias na semana, a fome pelos treinos parece ser muito maior. E a rapidez dos treinos também.

ENTREVISTA COM BILL PIERCE
CR: Como surgiu o F. I.R.S.T.?
Bill Pierce: Eu e Scott Murr começamos a correr juntos quando ele já era professor sênior e eu estava no meu primeiro ano como professor da Universidade de Furman. Por 25 anos, passamos inúmeras horas correndo, nadando, pedalando, remando e testando diversas abordagens de treinamento. Como conhecedores da ciência do exercício, nossas conversas estavam sempre girando em torno desse ramo e, naturalmente, começamos a explorar o quanto nossas experiências nos treinos e formações acadêmicas poderiam nos ajudar a formular uma forma mais inteligente de treinar.
Nós começamos a participar de triatlos e essa experiência nos levou a descobrir o que não esperávamos. No início, quando começamos a treinar para esses eventos, nos esforçamos ao máximo para manter seis dias de treinos de corrida na semana. Naturalmente isso nos levou à exaustão. Relutamos, mas decidimos abrir mão de uns dias de corrida para conseguir aumentar o volume de pedal e natação porque achávamos que esse era o único meio para sermos competitivos. O senso comum, somado aos conhecimentos adquiridos na comunidade de ciência do exercício, nos dizia que como estávamos correndo menos, nossas performances como corredores inevitavelmente iriam cair. Então você pode imaginar nosso choque quando isso não aconteceu conosco em provas que iam desde 5 km a maratonas. Foi com esses acontecimentos que as sementes, do que viria a ser o F.I.R.S.T., foram plantadas.

A diversidade do treino o tornava mais interessante e divertido, menos estressante e de alguma forma, mas efetivo. Por causa dos dias limitados de corrida por semana, nós fomos forçados a fazer uma abordagem mais científica dos nossos treinamentos a fim de maximizar os seus benefícios. Nós experimentamos outros tipos de treinos aeróbicos, procurando por aqueles que complementariam a corrida de forma mais eficiente. Um de nossos colegas, Ray Moss (diretor do Departamento de Performance Humana da Universidade) colaborou conosco para desenvolver um plano de treinamento mais detalhado. Foi depois de anos testando o plano, que o Instituto de Corrida e Treinamento Científico da Universidade de Furman (Furman Institute of Running and Scientific Training - F.I.R.S.T.) e sua abordagem única de treinamento nasceu.
Quando vocês decidiram que era hora de publicar um livro sobre o F. I.R.S.T.?
Depois de termos desenvolvido os planos de treinamento e conduzido pesquisa de estudo para validá-los, nós compartilhamos a informação com o editor executivo da R unner's World, Amby Burfoot. Ele publicou uma matéria na revista e insistiu para que nós escrevêssemos o livro.
Em fóruns de discussão na internet, alguns maratonistas são céticos em relação ao F. I.R.S.T. Eles dizem que o plano de treinamento é um "atalho" e que ninguém consegue alcançar todo seu potencial para a maratona sem correr 100 km ou mais por semana.
Nós nunca dissemos que o F. I.R.S.T. é o melhor programa de treinamento. Os corredores de elite obviamente treinam muito mais horas e quilômetros do que o nosso programa descreve. Mas muitos corredores não toleram fisicamente treinamentos de alto volume e para boa parte deles isso leva às lesões. Outros não têm o tempo ou a energia para se dedicar a esse tipo de treinamento. O F.I.R.S.T. oferece um caminho efetivo para alcançar altos níveis de condicionamento, ótimas performances e ao mesmo tempo diminui o risco de lesões.

O F.I.R.S.T. também serve como alternativa aos planos de 5 a 7 dias de treinos de corrida que muitos acham difícil de serem aplicados no seu dia-a-dia. Muitos corredores nos escrevem que foram mais bem sucedidos com o F.I.R.S.T. do que com outros programas de treinamento que usaram anteriormente porque ou se lesionavam ou ficavam extremamente fadigados. Outros dizem que adoraram a variedade (cross-training) da nossa abordagem.
Para os corredores que não tem acesso a academias ou piscinas, é permitido trotar ou invés de fazer cross-training?
Há alguns corredores usando nosso programa que correm nos dias de cross-training. Tudo bem fazer isso, contanto que se consiga alcançar as metas de ritmo determinadas para os três dias de corrida.
Nós conversamos com alguns treinadores brasileiros sobre o F.I.R.S.T. e muitos nos disseram que usam planos de treinamento semelhantes e personalizados para atletas que só tem três dias disponíveis para correr. Qual é a diferença entre o esse tipo de abordagem e a de vocês?
O F.I.R.S.T. é um programa "3+2". Nós incluímos dois dias de cross-training. Outra diferença é que no nosso caso os treinos são muito intensos. Isso quer dizer que os ritmos determinados para os treinos, especialmente para os longões, são mais rápidos do que a maioria dos outros planos de treinamento. O F. I.R.S.T. enfatiza a intensidade, a variável que tem maior efeito no condicionamento.

SERVIÇO
RUN LESS, RUN FASTER, Bill Pierce, Scott Murr e Ray Moss (ed. Rodale). R$ 38,65 (WWW.LIVRARIACULTURA.COM.BR)
O livro, que já vendeu 15 mil exemplares, tem prefácio do editor executivo da Runner's World, Amby Burfoot, não fica restrito ao treinamento. Além de demonstrar os resultados obtidos dos testes de campo que deram origem ao F.I.R.S.T., há capítulos sobre nutrição, tratamento de lesões, alongamentos, fortalecimento muscular, um guia para cross-training e uma planilha especial de treinamento para a Maratona de Boston. Os autores usam depoimentos de corredores que usaram o método como forma de responder às maiores dúvidas que se tem em relação aos treinos. De qualquer forma, mesmo que você tenha alguma questão a ser esclarecida, basta entrar em contato com os autores, que são muito solícitos e rápidos para responder. Não há previsão de lançamento do livro em português, portanto, este fica restrito àqueles que tem pelo menos conhecimento razoável de inglês. As tabelas e planilhas do livro usam o sistema britânico (milhas, min/milhas), mas é possível ir ao site (WWW.FURMAN.EDU/FIRST/FMTP.HTM) baixar e imprimir mesmas com as distâncias convertidas para km, e os ritmos para min/km.
 
 

Ponto de Vista (1)

Revista Contra Relógio

Treine 3 vezes por semana e corra bem
Edição 202 - JULHO 2010 - MARCELO AUGUSTI


Nem todos os corredores dispõem de tempo suficiente para realizar treinos em seis ou sete dias da semana. Entretanto, isto não significa que não se possa alcançar um rendimento satisfatório nas competições esportivas.

Assim, para otimizar o tempo e proporcionar um trabalho de qualidade, o corredor deve priorizar determinados tipos de treinamento que o tornem resistente e veloz para enfrentar as diversas distâncias.


O desafio de tornar a corrida em algo específico às necessidades individuais passa pela divisão do plano de rendimento em etapas. Para o nosso propósito, essas etapas serão:

Desenvolvimento: buscando a melhora do condicionamento do corredor para "treinar melhor";

Aperfeiçoamento: buscando a melhora do rendimento do corredor para "competir melhor";

Restauração: buscando a recuperação do corredor para "descansar melhor"

Com estes três conceitos, podemos elaborar o plano de rendimento esportivo de modo que o corredor venha a obter o seu melhor desempenho nas competições. O plano que vamos apresentar consiste em três dias de treino na semana, o que será suficiente para as pretensões dos corredores mais exigentes e com reduzido tempo para dedicar-se aos treinamentos.

Conforme a nossa proposta, temos três tipos de treinamento para os quais o corredor deverá dispor de tempo para realizar um trabalho de qualidade que atenda aos conceitos expostos. Assim, temos os seguintes treinamentos:

T1 : Visa melhorar a resistência geral do corredor. Caracteriza-se por ser de baixa a moderada intensidade e de volume moderado a alto;

T2: Objetiva a melhora da velocidade e resistência específica do corredor. Caracteriza-se por ser de moderada a alta intensidade e de volume moderado;

T3: Destinado à melhora do ritmo de competição. É de alta intensidade e baixo volume.

Na primeira etapa do plano, o desenvolvimento, com duração de 8 semanas, o corredor deverá utilizar o T1, que é um trabalho predominantemente aeróbico, e o T2, um trabalho misto (aeróbico x anaeróbico).


EXEMPLO DE ETAPA DE DESENVOLVIMENTO PARA 10 KM E 42 KM

Na segunda etapa do plano de rendimento, o aperfeiçoamento, com duração de 4 semanas, o corredor irá utilizar o T2 e o T3, que é predominantemente anaeróbico.


EXEMPLO DE ETAPA DE APERFEIÇOAMENTO PARA 10 KM E 42 KM

Na semana da competição, o corredor deverá realizar treinos T1, com trotes entre 30-45 min e algumas acelerações entre 100-200m para "soltar" os músculos e manter a "memória" muscular relacionado à velocidade e ritmo de competição, por 2 vezes na semana. O terceiro "treino" será a própria competição.

Já na semana posterior à competição, temos a etapa de restauração, que será caracterizada por 2 treinos tipo T1, com trotes entre 30-45 min e alongamentos. Para os 10 km, uma semana será suficiente; para a maratona, de 2 a 3 semanas de restauração são indicadas como ideal. Após esta fase, o corredor poderá reiniciar o ciclo de treinamento, com um novo plano de rendimento esportivo.

Estas são as especificações da nossa proposta de treinamento para os corredores com pouco tempo destinado à prática da corrida, mas que, mesmo assim, têm pretensões de obter bons resultados nas competições.

Os exemplos aqui expostos podem ser modificados conforme as necessidades de cada caso particular, porém, sempre se seguindo as premissas básicas da proposta, ou seja, o plano de rendimento esportivo e os tipos de treinamento que devem ser aplicados em cada etapa.

A partir daqui, é com você, amigo corredor. Bons treinos e boas provas!

domingo, 30 de outubro de 2011

CORRE JAMOR 2011

Prova de 9kms precedida de um treino de 16kms ao longo da Marginal.

Eu e o Carlos chegamos ao  Complexo Desportivo do Jamor cerca das 7h30 da manhã tendo já à nossa espera o Jorge Almeida e o Pedro João Reis que conhecemos hoje mesmo e pertence ao grupo do Portugal Running do Facebook.

Objectivo: mais um treininho para a Maratona e segundo o Carlos a prova em si como uma simulação da Av. Almirante Reis. Não concordo muito porque o efeito é diferente. Temos subidas e descidas para cansar e descansar as pernas enquanto que a Almirante Reis é sempre a subir (embora o Jorge Branco ache que não) e com 37kms nas pernas, mais coisa, menos coisa….

No fim desse mesmo treino chegamos ao Jamor e tivemos tempo para mudar de roupa, beber um café…. e o Carlos e o Jorge um bolo para reporem as energias.

Encontrámos no café pessoal do Portugal Running mas na altura de começar a correr fomos só os três. Confesso que aquele inicio de prova era diferente do costume, comecei a sentir as pernas pesadas. Não era cansaço, era mesmo as pernas pesadas talvez pela pausa e retorno de corrida, com o aquecimento muscular passou. 
Durante a prova encontramos o  Vital Lacerda e o Armando Cardoso e continuamos os cinco juntos até ao fim da prova.

Este ano gostei mais do percurso mas em dada altura parecia um carrossel com tanto ziguezaguee quando cheguei a pista de tartan adorei porque aquele piso é um espectáculo, sinto-me nas nuvens e não tenho medo de torcer os pés nem nada …. Outra coisa que gostei muito foi ouvir o meu nome quando cheguei à meta. Eu não ganho nada, terminamos a prova com 52’30 tempo de chip, mas que é muito agradável de ouvir, lá isso é!
Foi a 1ª vez que ouvi assim o meu nome.


No fim da prova juntou-se mais pessoal do Portugal Running o que deu origem a umas fotos que consegui tirar com o telemóvel com a bateria a dar o “berro”.

Agora não temos mais nenhuma prova até à Maratona, é treinar, treinar, treinar…

Tenho muita pena de não ir à 1ª Corrida da Ajuda… e comer umas castanhas no fim, mas é dia de treino longo e não dá para trocar. Provas agora não!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

CORRIDA DO TEJO 2011





Ontem a Corrida do Tejo.... Corrida do Tejo essa que tem para mim um significado especial por ter sido a minha 1ª prova em estrada em 2007.

Para além de ser uma prova muito agradável de se fazer tanto pela organização e eficiência como pela própria Marginal que é muito bonita.

Todos os anos quero superar e fazê-la num bom tempo mas não sei porquê acabo por não fazer nada de especial. Eu e o Carlos acabámos a prova nos 50'49 e o Jorge 51'24.

Encontrei o Fábio como não poderia deixar de ser, mas desta vez só o vimos mesmo no inicio antes da prova enquanto fazíamos o aquecimento.

Foto tirada pelo Fábio Dias

E como não poderia deixar de ser tirou uma fotografia, única até agora. Obrigada Fábio!

Não concordo com a inovação deste ano termos que ir buscar o Diploma da prova. Obriga a deslocações desnecessárias e não faz sentido.

Para a semana treino 16kms e a prova do Jamor logo de seguida, assim vamos com os músculos quentinhos :-)))

domingo, 16 de outubro de 2011

Hoje não houve prova, houve treino e a 1ª vez do Jorge Almeida!

Hoje não houve prova, houve treino e a 1ª vez do Jorge Almeida! 
E encomendamos uma manhã agradável e sem calor para o efeito :-)))))

Começamos em Belém e fomos até Marvila, o objectivo eram 25kms e o Jorge Almeida receoso pois era a primeira vez que ele iria tentar passar os 21kms.

Teorias há muitas mas como cada um se sente e como reage na altura é que não está previsto. Portou-se muito bem embora sentisse a pernas presas como é natural, principalmente no fim e os pés "colados" ao chão!

O Carlos não se queixou muito e pela parte que me toca não me senti nada mal. Gosto de passear a correr prefiro fazer quilómetros em passeio do que correr que nem uma maluca para fazer tempos.

Quando for o treino dos 35 kms vamos ver como vai ser.

O percurso comparativamente a algum tempo tornou-se mais agradável de se fazer. Não vamos para aquelas bandas à algum tempo, vê-se muito mais pessoas a correr e andar de bicicleta. Vimos passar que nem foguetes quatro atletas dos Amigos do Atletismo de Mafra, outros como nós e outros mais lentos.
Mais próximo de Alcântara e Belém claro que há imensa gente, até demais quando queremos correr e não tropeçar em ninguém.

Percurso: http://www.endomondo.com/workouts/25926049?ref=nf

Fiquei com um registo das caras do Carlos e do Jorge com um sopro de alivio por terem terminado o treino :-)

 



segunda-feira, 10 de outubro de 2011

3ª Edição da Corrida do Aereoporto

Ando preguiçosa, hoje estava sem vontade de participar, não queria prova nenhuma apetecia-me apenas treinar no meu ritmo sem pensar em provas e se tivesse optado presentemente preferia ter ido à Meia Maratona da Moita.
Mas não! Eu estava inscrita na Corrida do Aeroporto logo de inicio desde Agosto, por isso não tinha outro remédio senão ir e "mai nada".

Tinha frio de manhã e implicava com o Carlos, enfim!
 
Entretive-me a tirar algumas fotos aos aviões enquanto esperávamos que o Jorge aparecesse porque se tinha perdido.

Foi a 1ª vez que participei nesta corrida e não é que gostei? Depois de tanta reclamação até achei uma prova muito gira de se fazer. Encontramos o João Lima,  o Armando Cardoso e a Carla Teixeira. 

Sentimos a falta do nosso amigo Fábio, ultimamente  tem sido presença constante nas provas.

A prova em si achei-a fácil, bastante simpática. 

Começamos um pouco mais devagar até porque não conhecíamos o percurso e mesmo vendo o croqui não nos dizia nada porque não conhecemos a zona.

Eu terminei com tempo de chip 48'02,  o Carlos com 47'57 e o Jorge 48'12.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

1ª CORRIDA DA ÁGUA - MONSANTO

Corrida da Água ..... 02 de Outubro 2011 - 10h00 - Parque do Calhau - Monsanto, em piso plano em estrada e terra batida
  
ATRAVESSAR O AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES



Uma corrida bastante interessante de se fazer ..... se houver mais quero repetir!

Quanto à organização da corrida, estava boa só é pena a situação da água que se volta a repetir.
 
Quem está a dar a água está demasiado junto, o que provoca atropelos e estão a abrir os pacotes na altura em estamos a passar... seria muito melhor se estivessem previamente abertos ou semi-abertos para poderem dar vazão a afluência repentina de atletas.

Gostei porque encontrei amigos, antes, durante e depois da corrida ... o Fábio, Hamilton, Ana Pereira e o pai, Jorge Branco.... de fugida o Egas Branco.
Percurso simpático com a dificuldade do fim na subida para Campolide, essa que muitos tiveram que subir a andar. Safámo-nos .... e não deixámos de correr apesar de termos que abrandar. Confesso que ia de "bofes na boca" e a resmungar com o Carlos a dizer que para mim tinha sido mais fácil as subidas da Meia de S. João das Lampas, temos dias assim! 
 
Quando saímos do aqueduto ao entrarmos na parte empedrada, já na recta final tropecei nos degraus que lá estavam. Parece que foi de propósito. Um senhor da organização a avisar "cuidado com os degraus", o Carlos disse "cuidado com os degraus" e eu emborrachei-me no chão!!! Malditos degraus !!!!

 
Aleijei-me mas nada que o gelo não cure, ganhei um hematoma na perna e um cotovelo esfolado. 
 
Temos dias assim ... terminámos com tempo oficial 52'22.

 


 

No fim brincámos! Eu, o Carlos e o Fábio tirámos uma foto no pódio :-))) antes que os verdadeiros vencedores ocupassem os seus lugares. Brilhar mesmo de brincadeirinha faz bem ao ego e dar uma boa risada à conta também.

 



Nesta prova também me foi comunicado oficialmente pelo Fábio que não iria acompanhar-nos na Maratona (como se eu não adivinhasse isso mesmo). Mas prometeu fazer os possíveis de nos acompanhar em alguns treinos para ver se melhora mesmo nas corridas mais curtas.

A próxima será dia 9 de Outubro a Corrida do Aeroporto, até lá!